Saudações a Harvard

Três semanas na estrada e contando… não, isso não pode estar certo, pois perdi as contas! De tudo. O número de voos, hotéis, cidades, táxis, camareiras simpáticas e, é claro, os zilhões – mais ou menos – de entrevistas, mesas-redondas, apresentações, palestras, reuniões com parceiros e negociações. Estou um pouco confuso em relação ao que e onde dos últimos 21 dias. Se eu me esforçar muito e realmente fizer a velha memória funcionar, alguns bits de dados espaço temporais começarão a aparecer, mas as coisas ainda estão embaralhadas. A melhor maneira de fazer o conhecimento pegar no tranco é examinar meus arquivos fotográficos – minhas próprias fotos pessoais no meu laptop (desculpe, vou mantê-las apenas para mim!) e públicas – no Flickr e no Instagram.

Ontem estávamos no lugar onde o Tea Party liderou nada menos do que a Revolução Americana – Boston. Vou pular a parte de negócios do dia e seguirei diretamente para a parte mais interessante, quando conferimos alguns dos pontos turísticos obrigatórios do local, na verdade, um em particular.

Os subúrbios de Boston, na Comunidade de Massachusetts (título de estado oficial curioso considerando a associação desse lugar com a luta do país com a comunidade original, maior e pior comunidade! Talvez não, afinal, estamos na Nova Inglaterra🙂, lar da mais antiga, mais respeitada, mais prestigiosa (e tenho certeza de que há muitos outros mais que poderiam ser atribuídos a ela) universidade dos EUA (do mundo?). Claro que estou falando de Harvard, na cidade de Cambridge (não confundir com a cidade homônima do Reino Unido – também lar de uma universidade com muitos adjetivos acompanhados de mais).

Dizer que esse lugar é impressionante dificilmente seria uma surpresa. Claro que impressiona. Há uma aura especial em torno dele – a aura inconfundível do meio acadêmico, algo que eu respeito e do qual tenho boas lembranças (em meu país natal). Uma atmosfera literária mágica em um pano de fundo de arquitetura clássica dos séculos 18e 19. Um luxo!

Não foi à toa que o filme ganhador do Oscar Mente Brilhante foi rodado aqui.

Isso já diz tudo. Deixe que as imagens digam muito mais do que mil palavras poderiam…


Não é rocha vermelha; é tijolo vermelho

Aqui está! O primeiro e único computador eletromecânico de Harvard Mark I:

Computação no estilo da década de 1940

Onde Russell Crowe sentou

Biblioteca da Universidade de Harvard vista do exterior:

E do interior:

Podíamos ouvir o barulho das engrenagens de fora – pela porta de vidro

Boston vista de cima:

Olá, Nova York (aquilo é fumaça?):

Aqui estamos nós de volta a Nova York. Curiosamente, o caminho do aeroporto para o hotel demorou três vezes mais do que o voo de Boston! Isso me lembrou Moscou!

Amanhã acordamos cedo para o início de nossa conferência com estudantes na Politécnica da NYU, então estou me despedindo por hoje. Boa noite e nos veremos em breve…

No comments yet... Be the first to leave a reply!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: